Fale conosco

O que você está procurando?

Revista Atrevida

Na Real

Segundo dia do Enem: o que fazer se não fui bem na primeira prova?

Especialista fala da importância de não desistir da segunda etapa e focar no equilíbrio emocional

Segundo dia do Enem: o que fazer se não fui bem na primeira prova?
Segundo dia do Enem: o que fazer se não fui bem na primeira prova? (Reprodução/Pixabay)

No próximo domingo, 28, acontece a segunda prova do Exame Nacional do Ensino Médio, mais conhecido como o Enem. Dessa vez, as perguntas trarão para os candidatos questões que abordam ciências humanas e da natureza.

No primeiro dia foi registrado 26% de abstenção. Aliás, esse número pode ser ainda maior já que muitos acabam pensando em desistir por acreditar que não foram tão bem na prova anterior.

A aprovação é a soma de vários fatores e da TRI, que é o conjunto matemático de correção das provas. E o gabarito de humanas é o que têm mais divergências, então realmente tem que esperar o final, porque só a primeira prova não tira a pessoa do jogo”, explica Sabrina Oliveira, professora e estrategista em métodos para aprovação em vestibular.

Para ela, o mais importante nesta semana é focar no que ainda é possível fazer e não ficar remoendo sobre o desempenho da prova anterior.

O que deve ser feito?

Descansar e revisar. O foco agora é manter sob controle aquilo que é possível ser feito. Então, a dica é observar os erros que você cometeu na outra prova do Enem e aproveitar o tempo restante para tirar as dúvidas com os professores. 

O descanso é mais que bem vindo, já que parte da prova já foi realizada, diminua um pouco o ritmo para não chegar a exaustão.

Preparo mental e emocional: O candidato deve acreditar no próprio potencial e em todo período que já dedicou aos estudos, reforçando positivamente que a chance de passar ainda existe. Praticar meditação ou relaxamento ajudam na concentração e tranquilizam a mente.

“O jogo só acaba quando termina, não é? Então ainda falta metade desse jogo e muita coisa pode acontecer”, finaliza a especialista, Sabrina Oliveira.