Fale conosco

O que você está procurando?

Revista Atrevida

Música

Elana Dara lança o primeiro EP de sua carreira, “Teoria do Caos”, dividido em 4 partes

Duas primeiras faixas do EP, “Sou Uma Bagunça” e “Histórias da Minha Cabeça”, já estão disponíveis em todas as plataformas digitais

Elana Dara lança o primeiro EP de sua carreira, "Teoria do Caos", dividido em 4 partes (Foto: Divulgação)
Elana Dara lança o primeiro EP de sua carreira, "Teoria do Caos", dividido em 4 partes (Foto: @SAYMONS)

2021 está sendo um ano extremamente especial para Elana Dara. Dois singles de sucesso lançados, a estreia nos palcos com um show em Curitiba (PR), sua cidade natal, além de uma apresentação já confirmada para São Paulo (SP), no dia 3 de dezembro. Dessa forma, a artista tem encontrado seu caminho, amadurecendo pessoal e profissionalmente aos olhos do público. E, agora, single após single, ela chega ao sonhado EP de estreia.

Assim, intitulado “Teoria do Caos”, o EP, que reúne seis músicas – sendo cinco inéditas + “amor não eh pra mim” – será lançado em quatro fases. Aliás, nesta sexta-feira, 26, já estão disponíveis em todas as plataformas digitais as duas primeiras faixas: “Sou Uma Bagunça” – que ainda ganha um videoclipe – e “Histórias da Minha Cabeça”. Por outro lado, já no dia 3 de dezembro o público poderá conferir o videoclipe de “Histórias da Minha Cabeça”. E no dia 10, mais duas músicas novas, que serão acompanhadas de um videoclipe.

Por fim, no dia 17 de dezembro, além da junção dos lançamentos das fases anteriores, mais uma música e videoclipe inéditos.

Por trás do EP

Eu queria muito que o nome do EP fosse impactante, mas também demonstrasse toda essa confusão em minha cabeça, como os próprios títulos das minhas músicas sugerem. E a “Teoria do Caos”, quando eu pesquisei sobre o significado, está diretamente relacionada ao efeito borboleta. Então, acho isso muito significativo, porque minhas músicas são como pequenos pensamentos. Pequenas coisas do dia-a-dia que eu transformei não só em grandes sentimentos para conseguir escrever, mas também para viver. Passo por isso constantemente, vivo pensando em uma coisa pequena que acabou se tornando relevante“, diz a artista sobre o projeto.

Assim, a artista também contou um pouco mais sobre as inspirações por trás das composições.

Na maior parte das vezes falo sobre mim mesma e faço metáforas para expor o que me faz vulnerável, traduzindo meus sentimentos como eles são, de fato. Então foi assim que “Teoria do Caos” surgiu. Acho que ela resume o que eu quero dizer nas músicas”, comenta ela.

O EP traz Elana certa de sua personalidade e de suas vontades quanto artista e compositora. Ao ouvir os primeiros acordes de “Eu Sou Uma Bagunça”, já é possível perceber que o rock, com pitadas de pop, dá o tom deste novo trabalho, uma transição que a cantora tem conduzido de maneira sutil ao longo de seus lançamentos.

Eu aprendi muito e consegui me reconectar com algumas referências com as quais eu não me conectava antes, por estar mais focada no mainstream, que eu não escutava muito antes do início de minha carreira. Aos poucos recuperei esses vínculos musicais antigos, de quando aprendi a tocar violão e porque também comecei a tocar guitarra, por exemplo. Foi a partir daí que surgiram todas as composições do EP. Então eu não tinha como fazer de outra forma, estando no momento em que estou na vida e aceitando tão bem o espaço da música em que quero estar. Estou muito decidida em relação a isso, hoje sinto-me plenamente confortável carregando todas as minhas referências”, acrescenta Elana.

Inspirações do clipe

No videoclipe de “Eu Sou Uma Bagunça”, Elana Dara propõe uma metáfora sobre se encontrar e se enxergar por inteiro. Por isso, revira um quarto totalmente desarrumado, encontrando itens em meio ao caos e interagindo com um manequim. O clipe já pode ser conferido no canal oficial da cantora, no YouTube.

Aliás, a artista lembra que permaneceu por alguns dias em estúdio para construir várias faixas simultaneamente, em um processo que também considerou enriquecedor, ao lado de nomes como Léo Ramos e André Dea, artistas que já acompanhava, e de Zeca Leme, produtor do BTG Studio.

Acho que sem eles eu não teria conseguido. Eles me encorajaram, me motivaram a deixar de lado alguns filtros. E também a pensar no que eu realmente queria para continuar contando essas histórias para as pessoas, fazendo sentido com os outros trabalhos já lançados. Não poderia ser melhor o resultado em que chegamos, juntos”, finaliza ela.