Fale conosco

O que você está procurando?

Revista Atrevida

Fashion

Hallyson Machado: jovem estilista processo de criação figurinos de artistas da música pop

Hally já trabalhou com Lexa e Pocah

Hallyson Machado: jovem estilista processo de criação figurinos de artistas da música pop
Hallyson Machado: jovem estilista processo de criação figurinos de artistas da música pop (Reprodução/Instagram)

O carioca Hallyson Machado tem 23 anos, é produtor de moda e aluno do curso de Design da Faculdade SENAI CETIQT. Atualmente trabalha com produção de figurinos em seu próprio ateliê, junto com a tia que ajuda Hally (como prefere ser chamado) em suas produções.

Antes, trabalhou com atendente de telemarketing no Rio de Janeiro. Seu sonho era produzir figurinos para divas da música pop e alguns desses sonhos ele já conseguiu realizar: ele foi responsável pela roupa usada por Lexa em uma grande marca de cosméticos brasileira e pelo modelo que Pocah usou no clipe que teve participação de Lia Clark (que também estava usando uma roupa criada por ele).

Neste bate-papo, Hally conta como surgiu a vontade de fazer moda e seguir o sonho de vestir celebridades do pop.

Por que decidiu fazer moda? De onde surgiu essa vontade?

Foi no Ensino Médio que tudo começou. Recebi uma visita do SENAI CETIQT no colégio onde estudei e eles ofereceram cursos técnicos na área de moda e química, fiquei interessado em cursar produção de moda e agarrei a oportunidade, mesmo não sabendo de início se tinha habilidade para tal área. Durante o curso descobri talentos que jamais imaginei que eu teria e a faculdade me ajudou muito na construção da minha carreira profissional.

Me formei como produtor de moda e, no ano seguinte, surgiu a oportunidade de ingressar no curso superior em Design de Moda no mesmo local e então eu agarrei a oportunidade novamente. Sempre adorei moda, fotografia, styling, mas no começo não tive muito interesse pois achava que não iria conseguir algo com isso, mas descobri que é possível sim fazer diversas coisas dentro da área!

Quem são suas maiores inspirações?

Me inspiro em artistas internacionais como Lady Gaga, Miley Cyrus, Demi Lovato e Nikita Dragun e também em artistas nacionais como Iza, Glória Groove, Ludmilla, Pocah, dentre outras.

Como surgiu a ideia/ convite para produzir peças para a Lexa e Pocah?

Sempre tive vontade de trabalhar, mas nunca soube como chegar até elas. Era um grande sonho trabalhar com a Lexa, que é uma artista que admiro muito e então eu comecei a frequentar os shows dela para tentar contato. Nos primeiros shows eu não obtive resultado, mas teve um momento que ela se apresentou em uma boate em que meus amigos trabalham e foi aí que meu sonho se tornou realidade: consegui falar com o stylist da cantora, o Pedro Agah, que hoje é meu amigo e sou muito grato pela oportunidade que tive. Meu primeiro figurino para ela foi uma minicoleção para a turnê internacional em 2019, que passou por Portugal e Londres. E depois disso nunca mais parei de fazer figurinos para ela!

A oportunidade que eu tive com a Pocah surgiu através de contatos pessoais que tenho. Me indicaram para fazer o figurino dela e da artista Lia Clark (um clipe com feat) e então eu consegui vestir as duas artistas ao mesmo tempo, no clipe “Eu Viciei”, disponível no YouTube.

Como é o seu processo criativo?

Eu nunca tive muito interesse em produto comercial, visto que a concorrência no mercado tradicional, falando de roupas comerciais, é bem mais concorrido do que o mercado dos figurinos, mas a vontade de fazer roupas com modelagens e recortes diferentes surge da necessidade de eu gostar muito da indumentária de clipes, de apresentações de shows nacionais e internacionais, e pelo processo criativo, que é parecido com a moda mas chega um momento em que o figurino encontra o “personagem” que é o nosso cliente.

A moda fala muito mais de estar na tendência, e o figurino agrega valores de representação e personalidade, que cada artista possui, então é isso que me atrai: criar um figurino que tenha a personalidade do artista e que esteja dentro do meu processo criativo, ou seja, as coisas que eu consigo desenvolver.

Qual a diferença, para você, entre fazer uma roupa mais tradicional, como vestidos, camisetas etc., e fazer uma roupa mais conceitual, exclusiva para uma artista pop?

Meu processo criativo consiste em pesquisar o artista, ver as referências do estilo dele. Depois, eu costumo analisar a proposta que foi passada (briefing de clipe, comercial, figurino de show, dentre outros) e, em seguida, eu dou início ao desenvolvimento dos croquis e faço a pesquisa de materiais para poder fazer o figurino. A minha maior inspiração de vida é a Lady Gaga. Inclusive, é o meu maior sonho fazer uma produção exclusiva para ela, eu seria a pessoa mais feliz do mundo! Vou correr atrás disso, pois pretendo também trabalhar com artistas internacionais. Vou me especializar nisso também.

Como você enxerga a moda nos tempos atuais, onde as redes de fast fashion estão cada vez mais presentes?

A moda é cíclica e, olhando para o cenário atual, as tendências circulam rapidamente e muitas vezes temos novidades semanais. É surreal como os designers e empresas de moda realizam um trabalho de pesquisa de tendências e criação para entregarem resultados de forma rápida e que atenda às necessidades do cliente atual, que está preocupado com o estilo de vida.

As marcas também têm adotado essa percepção de estarem próximas do estilo de vida do cliente, das coisas que ele faz, é como se a marca estudasse a rotina dele. Com a chegada da Indústria 4.0, que é a nova aposta do mercado atual, a moda tem se aproximado cada vez mais da tecnologia, desde o uso dos softwares até os tecidos tecnológicos. O processo de produção é bem mais rápido e reduz várias etapas que seriam “repetitivas” nos setores de produção. No figurino, isso também seria excelente, fazer uso da tecnologia em benefício para ter um produto diferente no mercado da moda.