Fale conosco

O que você está procurando?

Revista Atrevida

Cinema

“Meu nome é Bagdá”: filme sobre skatista premiado em Berlim tem pré-estreia no Festival do Rio

Bagdá, é uma garota skatista de 17 anos que vive na periferia de São Paulo, que quando encontra um grupo de meninas skatistas, sua vida muda.

"Meu nome é Bagdá": filme sobre skatista premiado em Berlim tem pré-estreia no Festival do Rio
"Meu nome é Bagdá": filme sobre skatista premiado em Berlim tem pré-estreia no Festival do Rio (Divulgação/Luciana Barreto)

Lançado mundialmente no prestigioso Festival de Berlim de 2020, onde conquistou o prêmio de melhor filme da mostra Generation 14plus, o longa-metragem “Meu Nome é Bagdá” tem pré-estreia na programação da Première Brasil Especial, promovida pelo Festival do Rio de 5 a 15 de agosto.

A diretora do filme, Caru Alves de Souza, teve seu longa de estreia, “De Menor”, eleito como melhor filme da Première Brasil de 2013, dividindo o prêmio com “O Lobo Atrás da Porta”.

Produzido por Rafaella Costa para a Manjericão Filmes, “Meu Nome é Bagdá” já foi selecionado para mais de 60 festivais internacionais ao redor do mundo.

Aliás, a obra acumula 14 premiações em eventos no exterior, entre elas a de melhor filme e melhor direção no Nordic International Film Festival, de Nova York; melhor filme pelo júri jovem do Gender Bender Festival, de Bolonha (Itália); melhor filme latino-americano no Festival de Cine Latinoamericano de La Plata (Argentina); prêmio do público no Cormorán Film Fest (Corunha, Espanha); e de melhor atriz – para Grace Orsato – e menção honrosa para o elenco feminino no Festival de Cine de Lima PucP (Peru). 

Sobre o filme

No enredo do filme estão presentes temas como empoderamento feminino, assédio, preconceito a homossexuais e machismo. Bagdá, a personagem central do longa-metragem, é uma garota de 17 anos que vive na Freguesia do Ó, bairro da periferia da cidade de São Paulo. Ela anda de skate com um grupo de meninos e passa boa parte do tempo com sua família e as amigas de sua mãe. Juntas, elas formam um grupo de mulheres pouco convencionais. Quando Bagdá finalmente encontra um grupo de meninas skatistas, sua vida muda. Em seu cotidiano ela encontra apoio familiar e empoderamento feminino, mas também assédio sexual, preconceito a seus amigos homossexuais e machismo.

“Meu Nome é Bagdá” tem distribuição no Brasil pela Pagu Pictures e, no exterior, pela empresa francesa Reel Suspects. Seu lançamento comercial em salas brasileiras de ocorrer nos próximos meses. Já na França, a previsão é para o mês de setembro.

Então, segundo Caru Alves de Souza, que também é corroteirista da obra, o roteiro “nasceu do desejo de contar uma história sobre situações cotidianas vividas por personagens oriundos de um bairro de classe média baixa da cidade de São Paulo, tentando encontrar a poesia existentes nas situações prosaicas.” Segundo ela, a intenção foi fazer um filme “com personagens mulheres que fossem fortes e fugissem dos estereótipos, e também se fortalecessem através dos laços criados entre si”. Com isso, “permitiriam ilhas de amor e afeto, num mundo que frequentemente é hostil a elas”, conclui a diretora.

A personagem título é interpretada pela skatista Grace Orsato, que vive seu primeiro papel no cinema. No elenco estão ainda Gilda Nomacce, a cantora e atriz Karina Buhr e a drag queen Paulette Pìnk

Além do elenco principal, “Meu Nome é Bagdá” tem também assinaturas de profissionais femininas no roteiro, direção, produção, fotografia e direção de arte.