Fale conosco

O que você está procurando?

Revista Atrevida

Cinema

Letícia Braga viverá adolescente diagnosticada com leucemia nos cinemas

A jovem atriz é a protagonista do longa “Meninas Não Choram”

Letícia Braga é a protagonista em "Meninas Não Choram"
Letícia Braga é a protagonista em "Meninas Não Choram" (Reprodução/Instagram)

Letícia Braga, a marcante Detetive Sol, na consagrada série infantil “Detetives do Prédio Azul” do canal Gloob, será a protagonista do longa “Meninas Não Choram”, que tem previsão de estreia para 2022.

A atriz, que tem 16 anos de idade e 10 de carreira, já participou de inúmeros papéis em séries e novelas. Aliás, ela também publicou dois livros e atuou em cinco filmes, sendo vencedora do prêmio de melhor atriz duas vezes pelo longa “A Menina Índigo”. 

“Meninas Não Choram”

No longa que ainda vai estrear, Letícia interpreta Pipa, uma menina muito divertida que é destaque no time de futebol da escola, mas que acaba sendo diagnosticada com leucemia e precisa enfrentar uma nova realidade. Segundo a atriz, a personagem foi um grande aprendizado: 

“Pipa é uma menina ativa que está experimentando a chegada da adolescência, o que por si só já é um momento diferenciado. Agora imagina passar por isso no meio de um diagnóstico de leucemia? Foi uma grande oportunidade de me aproximar de uma realidade que atinge muitos adolescentes.”

O filme, que é um remake, promete surpresas e muitas emoções. De acordo com Letícia, a preparação para o papel foi bem tranquila, pois a jovem já teve contato de perto com a leucemia em atividades voluntárias que fazia:

“Faço um trabalho de visita à ala das crianças com câncer da Santa Casa de Santos, em São Paulo, bem antes de ser escolhida para o papel, então vi de perto essa realidade. Por ser espírita, só posso acreditar que há um propósito maior nessa situação, o filme vai poder mostrar isso.”

Diferente de alguns atores, Letícia não quis ver o filme original para não adquirir vícios de interpretação. Segundo ela, a inspiração veio do que a diretora Viviane Jundi disse esperar do papel. “Ela é minha amiga e inspiração. Tenho plena confiança nela. Além disso, vi outros filmes com temáticas parecidas.”

Prêmios

O primeiro trabalho de Letícia foi aos 7 anos, quando participou de um comercial e de uma novela. Logo em seguida foi escolhida para “A Menina Índigo”, longa metragem que a levou a duas premiações de melhor atriz, sendo elas a do Festival de Cinema da Lapa e a International Film Festival de Manhattan: 

“Os prêmios foram inesperados e emocionantes. A melhor sensação foi saber que eu estava concorrendo com atrizes mais velhas, não era apenas para a melhor atriz mirim, e sim, a melhor no geral. Isso me deu bastante coragem e certeza de que estava no caminho certo”, conta.

Além de atuar, a adolescente também é escritora. Letícia conta que desde pequena juntava folhas de papel para escrever e ilustrar histórias. A jovem já lançou dois livros e se prepara para os próximos projetos, “Cabelinhos de Anjo” e “O Que Eu Vou Ser Quando Crescer”.