Fale conosco

O que você está procurando?

Revista Atrevida

Celebridades

Seungri, ex-integrante do Big Bang, tem sentença de prisão reduzida

Cantor de K-pop responde por seu envolvimento em um esquema de apostas ilegais e prostituição em uma boate sul-coreana

Seungri, ex-integrante do Big Bang, tem sentença de prisão reduzida
Seungri, ex-integrante do Big Bang, tem sentença de prisão reduzida. (Créditos: Getty Images)

Nesta quinta-feira, 27, o ex-integrante do Big Bang, Seungri, teve sua sentença de prisão reduzida para um ano e seis meses. Anteriormente, o mesmo cumpriria três anos.

De acordo com a mídia coreana, o ex-idol admitiu todas as nove acusações criminais contra ele, durante a audiência e apresentou uma “declaração de reflexão por seus erros”. Nesse sentido, o Supremo Tribunal considerou que ele mostrou um comportamento reflexivo.

Vale lembrar que a primeira audiência aconteceu em agosto de 2021. Entretanto, um representante legal de Seungri entrou com um recurso em outrubro do mesmo ano.

Relembre a condenação de Seungri, do Big Bang

Após anos de investigação, o ex-astro do K-pop, Seungri, 30, irá responder por seu envolvimento em esquema de apostas ilegais e prostituição em uma boate na Coreia do Sul.

Seungri fazia parte do grupo BIGBANG. Depois que o escândalo veio a tona, ele saiu do grupo em 2019 anunciando aposentadoria e se alistando no serviço militar obrigatório. O ex-idol foi declarado culpado de nove acusações, resultado da investigação chamada Burning Sun (mesmo nome da boate onde os crimes aconteceram). Aliás, vale lembrar que Seungri era um dos investidores da boate localizada em Seoul. Além disso, Jung Joon-young e Choi John-hoon (ex-FT Island) receberam condenações por estupro e assédio sexual.

Segundo a investigação, Seungri arranjava favores sexuais para estrangeiros que iam até a boate, sendo recompensado finaceiramente. Seu envolvimento em apostas ilegais também foi descoberto. O cantor promovia jogos no exterior, como em Vegas, e fazia transações de dinheiro entre os países considerados ilegais. Ou seja, para os investigadores, ele demonstrou remorso, além de tentar culpar outras pessoas por seus atos.

Por fim, além dos três anos de prisão, Lee Seung-hyun (nome verdadeiro) deverá pagar uma multa de 5 bilhões de won coreanos, 5,1 milhões de reais. Enfim, ele ainda pode apelar da decisão.