Fale conosco

O que vc está procurando?

Revista Atrevida

Celebridades

Cara Delevingne reflete sobre criação homofóbica durante a infância: “Tinha muita vergonha de ser isso”!

cara-delevingne-reflete-sobre-criacao-homofobica-durante-a-infancia:-“tinha-muita-vergonha-de-ser-isso”!

Atriz se assumiu pansexual em junho de 2020

Cara Delevingne desabafou sobre sua infância, durante o podcast “Goop”, da atriz Gwyneth Paltrow, nesta terça-feira (16). No papo, a modelo admitiu ter sido criada em um ambiente homofóbico e confessou sentir vergonha de quem era por muito tempo, devido a sua infância.

Eu cresci em uma casa antiquada. Eu não conhecia ninguém que fosse gay”, relatou a atriz, que revelou que o preconceito não era descarado, mas vinha disfarçado em ações e falas da família. “Acho que crescendo… Eu não sabia do fato de que era homofóbica”, disse ela. “A ideia de ter [parceiros] do mesmo sexo, eu tinha nojo disso, dentro de mim. Eu estava tipo, ‘Oh meu Deus, eu nunca faria isso, isso é nojento, ugh’”, completou Cara. 

+++LEIA MAIS: Elliot Page é capa da nova edição da revista Time e fala mais sobre transexualidade

Ainda, Delevingne contou que essa criação preconceituosa e conservadora foi uma das principais responsáveis pela deterioração de sua saúde mental, quando se descobriu parte da comunidade LGBT+. “Eu correlaciono a depressão massiva e os momentos suicidas da minha vida [a ser homossexual] porque tinha muita vergonha de ser isso um dia”, disse. 

A ex-Angel da Victoria’s Secret se assumiu pansexual em junho de 2020, mas teve relacionamentos públicos com mulheres — como com a atriz Ashley Benson e a cantora St. Vincent — antes de falar abertamente sobre sua orientação sexual.

+++LEIA MAIS: Ashley Benson abre o coração sobre a perseguição de paparazzi: “Isso me dá muita ansiedade”

Ouça o episódio completo de “Goop” com Cara Delevingne: