Fale conosco

O que você está procurando?

Revista Atrevida

Beleza

3 dicas para evitar a acne e o ressecamento causados pelas máscaras de tecido

O item, apesar de eficaz na proteção contra o vírus da Covid-19 e de outras doenças, pode apresentar reações adversas na pele do rosto e pescoço

3 dicas para evitar a acne e o ressecamento causados pelas máscaras de tecido
3 dicas para evitar a acne e o ressecamento causados pelas máscaras de tecido (Foto: Reprodução/Pexels)

O varal, onde antes só se estendiam roupas, nos últimos meses passou a secar uma nova integrante: as máscaras faciais de tecido. O item, antes utilizado somente por profissionais da área da saúde em formato descartável ou de alta performance, hoje se tornou ícone que compõe visuais. Dessa forma, tanto adultos quanto crianças estão utilizando o acessórios de proteção.

Porém, o que pouco se esperava são os efeitos que o objeto, disponível em diferentes cores, tecidos e estampas, poderia causar na pele. Há algum tempo, os usuários passaram a se queixar de ressecamento e acnes na região do nariz e ao redor da boca, que se mantém escondida pela máscara.

Quando usamos a máscara por longos períodos, o tecido acaba friccionando na pele. Além disso, a nossa respiração libera ar quente a cada expiração e quando falamos, são liberadas gotículas de água, que deixam o tecido úmido, fatores que fazem o local se tornar um ambiente perfeito para a proliferação de bactérias e fungos. O resultado é o ressecamento da pele, o aparecimento de acnes e de dermatite perioral, pequenas erupções avermelhadas ou rosadas que aparecem ao redor do nariz e boca e que podem evoluir para pústulas”, explica Kika Chammas, especialista em dermocosméticos para tratamentos estéticos, faciais e corporais.

Assim, a profissional listou, abaixo, 3 dicas para evitar e cuidar das causas do uso contínuo das máscaras na pele facial. Confira quais são elas:

1. Insira cuidados básicos na rotina

Além da mudança na forma de interagir com as pessoas e o mundo, o cotidiano se alterou significativamente devido à pandemia mundial. Por isso, novas medidas devem ser tomadas em relação ao autocuidado, para evitar e tratar alguns desconfortos causados na pele e relaxar em um momento só para si. Lembrando que o estresse também é um dos fatores que causa piora em diferentes áreas do corpo.

Lavar o rosto assim que retirar a máscara com sabonete vegetal, usar água micelar para desobstruir os poros e não dispensar o uso de filtro solar durante o dia são alguns dos cuidados que podem ajudar a manter a saúde da pele”, aponta Kika. “Além disso, nas horas mais tranquilas em casa, recomendo hidratar a pele com um óleo vegetal, como o de rosa mosqueta. Vale optar também por uma loção tônica facial com ativos que ajudem a manter a integridade da pele”, complementa.

2. Aposte nos produtos e materiais certos

Além de trocar a máscara com frequência, para que a umidade não seja excessiva, lavar a mesma com sabão neutro e sem perfume ajuda a manter a pele livre de produtos que causam irritabilidade. Outro truque é optar pelas máscaras com tecido de algodão, que são mais leves que as de nylon e poliéster, por exemplo.

Quando utilizar maquiagem por baixo da máscara facial, aposte também em produtos não comedogênicos, que têm textura mais leve e ingredientes menos oleosos. Isso porque eles vão ajudar a manter os poros sem obstruções e, consequentemente, diminuir o aparecimento de cravos e espinhas”, salienta a expert.

3. Procure um dermatologista

Caso os problemas persistam, mesmo com os cuidados antes ou depois do aparecimento dos incômodos pelo uso das máscaras, é importante buscar um especialista que irá avaliar cada caso individualmente e receitar um tratamento específico, de acordo com a necessidade.

A rotina de cuidados e produtos de alta qualidade pode ajudar com problemas superficiais e básicos do cotidiano. Entretanto, você não deve ignorar a avaliação de um dermatologista ou considerá-la irrelevante em nenhuma hipótese”, complementa Kika.

Ressalto ainda que o uso da máscara facial, seja ela qual for, é imprescindível para acabarmos com o contágio da doença. E, assim, caminharmos um passo de cada vez de volta à normalidade”, finaliza.